//Há 100 anos, a Mercedes apresentava os primeiros carros dotados de compressores mecânicos

Há 100 anos, a Mercedes apresentava os primeiros carros dotados de compressores mecânicos

Mais oxigênio nas câmaras de combustão significa um melhor desempenho: cem anos atrás, a Daimler-Motoren-Gesellschaft (DMG) apresentou os dois primeiros carros de passageiros Mercedes prontos para produção com motores equipados com um supercompressores do tipo Roots. Estes modelos Mercedes 6/25 cv e 10/40 cv fizeram a sua estreia no primeiro Salão do Automóvel Alemão após a Primeira Guerra Mundial, que foi realizado de 23 de setembro a 2 de outubro de 1921 no centro de exposições em Kaiserdamm em Berlim, onde os dois novos Mercedes causaram um grande rebuliço.

No entanto, demorou mais de um ano para eles entrarem em produção: foi só em 1923 que os carros chegaram ao mercado. O Salão Automóvel Alemão foi um dos precursores do Salão Automóvel Internacional de hoje (IAA). De 1904 a 1911, a feira foi realizada com o nome IAA e, na década de 1930, foi denominada Exposição Internacional de Automóveis e Motos (IAMA).

Os motores supercompressores de 1,6 e 2,6 litros foram desenvolvidos sob a direção de Paul Daimler. O filho mais velho do pioneiro do automobilismo e fundador da empresa, Gottlieb Daimler, chefiava o desenvolvimento de veículos da DMG desde que Wilhelm Maybach deixou a empresa em 1907. Paul Daimler, um engenheiro, experimentou pela primeira vez com um supercompressor mecânico do tipo Roots no motor de um Mercedes- Knight 10/40 hp em 1919. No entanto, não era tecnicamente possível combinar os motores Knight controlados por válvula corrediça e o compressor Roots.

Know-how de motor de aeronave aplicado a sistemas de acionamento de veículos motorizados

Daimler estava familiarizado com o princípio do soprador de pistão rotativo, que foi desenvolvido na América do Norte no século 19, a partir do desenvolvimento de motores de aeronaves durante a Primeira Guerra Mundial. Depois que as tentativas com o motor Knight provaram ser um beco sem saída técnico, o desenvolvimento se concentrou em motores controlados por válvula. Dois motores de quatro cilindros em linha com comando de válvulas no cabeçote, dispostas em forma de “V“ e velas de ignição posicionadas ao centro foram construídas para os primeiros veículos supercharged. Um eixo vertical na extremidade do motor acionava o eixo de comando e a bomba d’água. O compressor Roots, montado na vertical na frente do motor, era acionado pela extremidade dianteira do virabrequim.

O efeito do supercompressor mecânico foi tremendo: no Mercedes 6/25 cv com um motor de 1.568 cm³, a potência aumentou de 15 – 18 kW (20 – 25 cv) para 28 – 29 kW (38 – 40 cv) quando o compressor estava ligado. O modelo de 10/40 cv com motor de 2.614 cm³ fornecia 26-29 kW (35-40 cv) sem compressor e 48 kW (65 cv) com compressor. Em média, isso representou um aumento de desempenho de 60% em cada caso. Para transmitir o potencial claramente no nome do respectivo modelo, os dois carros receberam designações de modelo estendidas em 1924: a partir de então, foram listados como Mercedes 6/25/38 cv e Mercedes 10/40/65 cv. O último número representava a potência em cv com o compressor ligado.

Tecnologia de supercompressor para automobilismo

Albert Heess e Otto Schilling também estiveram envolvidos no trabalho. Após a fusão da DMG com a Benz & Cie. Em 1926, Heess foi nomeado chefe de produção para todos os motores de veículos desenvolvidos pela nova Daimler-Benz AG. Quando mais tarde foi nomeado engenheiro-chefe, Schilling teve uma influência decisiva no desenvolvimento dos motores de corrida da Mercedes-Benz na década de 1930. Na década de 1920, o motor de 1,6 litro do Mercedes 10/40 cv tornou-se a base para motores de corrida de 1.500 cm³ (carro de corrida Mercedes 6/40/65 cv de 1922) e motores de 1.986 cm³ (carro de corrida Mercedes de 2 litros de Indianápolis de 1923 e o carro de corrida Targa Florio de 2 litros Mercedes de 1924). O lendário carro de corrida Targa Florio vermelho no qual Christian Werner venceu a famosa corrida de rua em 1924 pode ser visto no Museu da Mercedes-Benz na Legend Room 7: Silver Arrows – Races and Records.

Em 1921, o supercompressor mecânico, que era uma característica nova e incomum na engenharia automotiva da época, resultou em uma série de reportagens na mídia e outras publicações nas quais o compressor Roots era vagamente referido como um soprador de ar ou soprador de deslocamento positivo. No entanto, os especialistas e o público foram rápidos em reconhecer o potencial da tecnologia. Foram, em particular, os carros esportivos com a famosa estrela das séries de modelos K, S, SS, SSK e SSKL de 1924 em diante que alcançaram status de lenda.