//Há 90 anos, estreava o Mercedes-Benz 170 (W 15) no Salão Automóvel de Paris

Há 90 anos, estreava o Mercedes-Benz 170 (W 15) no Salão Automóvel de Paris

Um automóvel de passageiros tecnicamente inovador, compacto e acessível: foi assim que a Mercedes-Benz conseguiu impressionar a impressa especializada e o público no Salão do Automóvel de Paris de 1 a 11 de outubro de 1931, há 90 anos. O novo Mercedes-Benz 170 (W 15) foi o primeiro carro de passageiros produzido em massa com suspensão independente com feixes de mola transversais à frente. Esse modelo corresponde hoje ao Classe C. O carro era equipado com um motor M 15 de seis cilindros em linha de 1.692 cm³ com potência de 23,5 kW (32 cv).

O novo modelo foi um sucesso imediato. Em 1932, o primeiro ano completo de produção, a marca vendeu um total de 4.438 unidades do Mercedes-Benz 170 – quase 75% da produção anual de 5.996 automóveis de passageiros. Até 1934, o 170 permaneceu como o carro de passageiros Mercedes-Benz mais construído. Um total de 13.775 veículos com dez variantes de carroceria e chassis diferentes foram produzidos até 1936, quando o Mercedes-Benz 170 V (W 136) com motor de quatro cilindros em linha substituiu o modelo W15.

O longo caminho para o Mercedes-Benz 170

A estreia do novo carro de tamanho médio ocorreu cinco anos após a Daimler-Motoren-Gesellschaft (DMG) se fundir com a Benz & Cie. Em 1926 para formar o que era então Daimler-Benz AG. O período que se seguiu à fusão de interesses destas duas empresas em 1924 foi acompanhado por uma série de dificuldades organizacionais decorrentes das atividades de reorganização. O desenvolvimento de um carro de passageiros compacto de alto padrão técnico a um preço de venda atraente também foi afetado, embora houvesse uma necessidade considerável de tal modelo na gama de produtos da marca.

Na DMG, o Mercedes 6/25 cv sobrealimentado (mais tarde 25/25/40 cv) projetado por Paul Daimler foi lançado em 1923, mas era comparativamente caro e só foi construído até 1925. Benz & Cie. Apresentaram o Mercedes-Benz 10 / 35 hp, uma versão revisada do popular Benz 10/30 hp, na linha de carros de passageiros comum. No entanto, este carro compacto provou não ser mais competitivo e a produção foi interrompida em 1927. O Mercedes-Benz 8/38 cv (W 02) com motor de seis cilindros e dois litros, desenvolvido sob a direção de Ferdinand Porsche e lançado em 1926 – um dos dois primeiros carros de passageiros com a nova marca Mercedes-Benz – também tinha um design bastante conservador, além de adotar suspensão de eixos rígidos.

Entrada na categoria de veículo com motor inferior a 2 litros

No final da década de 1920, o desenvolvimento de um carro compacto e inovador na Mercedes-Benz progrediu em um ritmo acelerado. As bases para isso já existiam há algum tempo: os engenheiros da Benz em Mannheim já haviam abordado o assunto da suspensão independente, com feixes de molas em 1921. Essa tecnologia foi aplicada com sucesso pela Benz em carros de corrida, mas não foi transferida para a produção em série. Em 1926, a Mercedes-Benz começou a trabalhar em um carro de passageiros de produção da série W 01, que era mais compacto do que o Mercedes-Benz 8/38 cv e seria movido por um motor de seis cilindros de 1,4 litro. Em 1928, um carro de passageiros com um motor de quatro cilindros de 1,3 litro (M 14) passou a ter a designação de série de modelo W 14. Ambos os carros tinham projetos convencionais com eixos rígidos e molas de lâmina na frente e atrás. Eles foram rejeitados pelo Conselho Fiscal.

A partir de 1928, a marca Stuttgart perseguiu vigorosamente a ideia de um carro compacto e moderno para sua linha de modelos. Por exemplo, as atas do Conselho de Administração de meados de 1928 afirmavam que “um bom carro pequeno a um preço adequado [seria] altamente apropriado para a gama de produtos à venda”. Naquela época, modelos com motores de 1,6 ou 1,5 litro estavam em conversa na empresa. Em outubro de 1928, o Conselho de Administração decidiu contra a produção do modelo de 1,6 litro por enquanto e optou por continuar testando o veículo.

O projeto apareceu repetidamente nas atas do Grupo: em junho de 1929, os engenheiros trabalhavam no sistema overdrive e no feixe de molas transversal. Há uma nota de maio de 1930 sobre o “carro de feixe de mola” sendo trazido para a produção em série. No final de junho de 1930, Wilhelm Kissel, Presidente do Conselho de Administração da Daimler-Benz AG de 1926 a 1942, escreveu sobre a importância do posterior Mercedes-Benz 170: “Desde a questão da tração dianteira e do eixo oscilante têm sido objeto de atenção considerável em toda a indústria automotiva por alguns anos, dificilmente seria justificável ignorar impensadamente essas duas questões importantes. ” Finalmente, em 1 de junho de 1931, foi tomada a decisão de produzir o novo modelo de automóvel de passageiros com uma distância entre eixos de 2.600 milímetros, um peso bruto do veículo de 1.455 kg e uma velocidade máxima de 90 km/h, bastante respeitável na época.

Elogios dos especialistas

O Mercedes-Benz 170 impressionou o público desde o início com a qualidade de seu conforto de suspensão, aderência à estrada (suspensão independente) e segurança de manuseio (freios hidráulicos e baixo centro de gravidade). Esses recursos não eram de forma alguma uma coisa natural para esse segmento de mercado naquela época. E assim o W 15 foi recebido com entusiasmo pelo mercado, apesar de seu preço de 4.400 Reichsmarks, que era tudo menos barato. Wilhelm Kissel, Presidente do Conselho de Administração, fez uma retrospectiva de 1932 e enfatizou: “Fomos a única empresa que conseguiu vender mais 1.700 automóveis de passageiros este ano em comparação com o ano anterior, 1931, graças ao nosso modelo de 1,7 litro. […] Fomos salvos graças ao excelente padrão do carro com eixo oscilante e à qualidade do motor diesel. ”

O Mercedes-Benz 170 de 3.940 milímetros (com para-choques estava um pouco acima da marca de quatro metros) recebeu críticas positivas – não apenas de clientes, mas também de jornalistas especializados. Já em outubro de 1931, a “Revista Automóvel” resumia: “Na grande maioria dos casos, o julgamento do especialista ou comprador experiente sempre será favorável à‘ Pequena Mercedes “.

O “ADAC Motorwelt”, edição 40/41 de 8 de outubro de 1931, entusiasmou-se com o carro compacto de passageiros: “Ele pode ser descrito como um dos carros mais avançados da atualidade para o uso diário, e com razão merece o título muitas vezes injustamente concedido de ‘maior conquista em engenharia automotiva internacional’ ”, e continuou: “Existem realmente poucos carros nos quais o chassi e a carroceria são projetados para se encaixarem tão bem quanto no modelo 170 da Mercedes-Benz ”.

A revista especializada “Motor und Sport” disse em sua edição de 9/1932: “Ao avaliar as características de manuseio, é difícil não usar superlativos. Em particular, a suspensão pode ser descrita como sem precedentes. Vibrações como tais agora quase não são sentidas. […] A aderência à estrada é muito boa e, graças ao baixo centro de gravidade, mesmo um estilo de condução dinâmico não é acompanhado de qualquer risco”.